Category Archives: Hotéis visitados

Yotel em Heathrow – a minha experiência ou como fui lá parar…

IMG_2714

Entrada do Hotel – terminal 4

No passado mês de Julho o meu filho mais velho teve a sua primeira experiência “a solo” no estrangeiro, foi para um colégio de verão aprender inglês.

Foi uma experiência que eu também tive, mais ou menos com a idade dele e que me ficou para a vida, e por isso sempre tive a vontade de, quando chegasse a altura, poder proporcioná-la aos meus filhos.

 

Ora esta mãe, que está sempre a inventar e com viagens na cabeça, assim que a viagem começou a tomar forma, pensou que giro giro era no fim do curso ir ter com ele a Londres, ficávamos lá mais dois ou três dias e aproveitávamos para fazer alguns programas ao gosto do dois!

 

Ora, depois de voltas e reviravoltas decidi que iria para Paris, ver umas exposições que queria ver, depois seguia para Londres. Respirava Paris e ainda riscava um dos itens que estava na minha bucketlist de viagens – atravessar o canal da mancha de comboio!

Isto tudo o que é que tem a ver com o Yotel? Nada e tudo!

Ou seja, eu adoro e por isso planeio e organizo todas as minhas viagens sozinha e normalmente corre sempre bem. Mas esta viagem em particular foram várias coisas a ser marcadas, pensadas, planeadas, calculadas… voos – os meus, os do meu filho, os de um amigo dele, comboio, hotéis, espectáculos etc etc.

Eu cheguei a Londres de comboio, mas o meu filho chegou a Londres de avião, ao aeroporto de Gatwick. Os nossos voos de regresso, por uma questão de horário eram de Heathrow… mas os voos do amigo que foi com ele e que fui eu também que marquei, era de Gatwick…

thumb_IMG_1755_1024

Não me perguntem como nem porquê, mas eu meti na cabeça que o nosso aeroporto era Gatwick… os dias todos que estive em Londres tinha na cabeça o aeroporto de Gatwick… fiz o checkin online com a devida antecedência, mas nem verifiquei e nem me preocupei com essa questão, pois na minha cabeça estava assente que era Gatwick.

Ora, no dia da partida, fomos à nossa vida, fizemos tudo o que tínhamos planeado fazer e com a devida antecedência fomos ao hotel buscar a bagagem, e até estivemos a fazer tempo para irmos para o aeroporto.

Chegados ao aeroporto, dirigimo-nos ao que era suposto serem os balcões de checkin da Tap e não havia um único aberto… o meu filho disse-me “oh mamã, não acredito que chegámos cedo de mais…” passaram uns minutos e comecei a achar estranho não ver movimentação e fui perguntar a um balcão do lado. Eis senão quando o sr. me diz, só se se enganou no aeroporto e de repente fez-se luz, abri o email da reserva e lá estava bem escarrapachado – HEATHROW…

Pois, a partir daqui foi a loucura… mas resumindo, apanhámos um taxi (serviço especial do aeroporto) de Gatwick para Heathrow, o motorista foi simplesmente 5***** e foi literalmente a voar, ultrapassou todos os limites de velocidade, eu ia num estado de nervos brutal, o meu filho ia de olhos postos no GPS e de minuto a minuto eu ia-lhe perguntado quantas milhas faltavam, só que nas imediações de Heathrow o trânsito estava caótico, o dia era de final de ano lectivo e por isso havia ainda mais trânsito, que o normal.

Bom, chegámos tipo 3 minutos depois do “drop luggage” ter fechado… eu viajo quase sempre com mala de cabine, mas o meu filho estava há 3 semanas fora, era impossível ter só uma mala de cabine.

Escusado será dizer que tive ali uns minutos de desorientação e de não saber o que fazer.

Aquele era o último voo da Tap do dia… e de repente senti a pressão do tipo: ” não estou sozinha, estou com o miúdo…”

Agarrei-me ao telefone a tentar arranjar um voo para chegar a Lisboa… agora imaginem, último dia de aulas em inglaterra, início de férias de verão e voo marcado em cima da hora… pois, lowcosts completamente esgotadas, e voos a preços exorbitantes… mas a verdade é que tinha de arranjar maneira de nos virmos embora.

O voo mais próximo, e “barato” (este barato é absolutamente desadequado pois o valor dos voos foi exorbitante) que arranjei foi Heathrow – Amsterdão – Faro. Na realidade Faro ou Lisboa não fazia grande diferença, pois o meu carro estava no Algarve.

5

Londres vista do observatório de Greenwich

Passado os momentos de pânico e stress lá me acalmei e tentei ver o copo meio cheio, como tento sempre. É verdade que me apetecia esbofetear-me.. continuou a apetecer-me durante algum tempo ou sempre que via o extrato do cartão de crédito… mas há coisas piores.

A viagem do meu filho tinha corrido bem, ele adorou a experiência, adorou o colégio, correu tudo às mil maravilhas, não se magoou, não ficou doente nem “homesick”, os nossos dias em Londres em programa mãe-filho correram maravilhosamente bem, foi mesmo mesmo bom, e ainda ficámos com uma história/aventura para contar.

Eu e este meu filho somo muito parecidos no optimismo e na grande capacidade de nos rirmos de nós próprios e às tantas e com tantos nervos à mistura davam-nos ataques de riso com as buscas que fazia dos voos, e as alternativas e valores que encontrava.

E foi assim que conhecemos o Yotel, que ficava precisamente no terminal de onde íamos sair – terminal 4. A alternativa era dormir em cadeiras super desconfortáveis do aeroporto e como perdidos por 100 perdidos por 1000, lá fui saber como é que funcionava e quanto custava.

Então uma cabine como a nossa, que é a mais pequena custou cerca de 115€ e podíamos ficar até às 6:00am, mas como o nosso chekin abria mesmo às 4:30, isso não era problema.

IMG_2712

Entrada

Há cabine maiores, mais apropriadas para duas pessoas, mas mais caras também  e aquela para as 5 horas que lá íamos estar servia bem.

Pois… escusado será dizer que o espaço é escasso, é tudo aproveitado ao milímetro, mas na realidade temos aquilo que necessitamos – cama, TV, Wifi, tomadas, duche e lavatório e sanita!

Como design tem alguma graça porque todo o espaço tem uma influência Hi-tech, parece que estamos a entrar numa nave espacial!!

IMG_2706

Cama

IMG_2705

Casa de banho

IMG_2704

IMG_2703

Duche

IMG_2711

TV aos pés da cama

IMG_2708

Janela… na porta de entrada

IMG_2710

Se repetia o Yotel? Repetia, é de facto uma boa solução para determinadas situações e dentro do que é, é bastante confortável. E a verdade é que a pessoa já não vai para nova, e uma noite mal ou não dormida é coisa para me ficar a pesar no corpo.

Acho que com este grande disparate, mas que acabou por resultar numa boa história para contar e lembrar, elevei o meu nível de viajante – devo estar quase no nível profissional!!!

 

Obrigada por lerem!

 

GuardarGuardar

Anúncios

St. Martins Lane hotel london

img_0644

Na minha última ida a Londres fiquei no St. Martins Lane Hotel e adorei.

Além da localização imbatível, no coração do “buzz” londrino, perto de Convent Garden, na zona do West End, para os amantes de hoteis este é um boutique hotel muito bonito.

O design é do Philip Stark e só por isso já merece a estadia. Há uma junção entre linhas modernas e “clean”, com peças coloridas e muito marcantes.

img_0624img_0621

Os hóspedes podem usufruir do maior ginásio de hotel da Europa – o Gymbox.

Mas além disto houve uma coisa que me seduziu assim que passei a fabulosa porta rotativa de entrada, que foi o cheiro… sim o cheiro, leram bem! Todo o hotel cheira maravilhosamente bem! E não são velas e nem incensos. Perguntei e disseram-me que era um aroma que punham no sistema de climatização e espalhava-se pelos espaços comuns dos hotéis. Ora eu, que sou muito muito esquisita com cheiros, adorei esta novidade, especialmente porque era um cheiro muito agradável, sem ser demais e sem ser enjoativo.

Depois há ainda as amenities…

Processed with Moldiv

Os quartos são muito luminosos, grandes vãos envidraçados. A decoração vai de encontro ao resto do hotel, linhas limpas mas acolhedor. A cama do quarto onde fiquei era muitíssimo confortável e estava enquadrada numa espécie de cabeceira onde havia a possibilidade de escolher a luz que emoldurava a cama.

A casa de banho era toda em pedra com um duche daqueles de onde não apetece sair!

img_0615img_0641img_0613img_0612

Este não é um hotel que se possa dizer em conta… é puxadote, embora já se sabe que nas capitais europeias, hotel acima de um determinado nível ou com qualquer coisas que os diferencie nunca são baratos. Vale a pena ficar de olhos nas promoções, eu marquei através do booking, numa altura em que estava com desconto e o preço ficou menos salgado e como eram só duas noites…

E valeu bem a pena, será sempre uma hipótese a considerar em Londres, se a carteira assim o permitir!

img_0706

E Londres é sempre uma (boa) excelente ideia, não é? Ando como imensas saudades…

Obrigada por lerem!

***

On my last trip to London I stayed at the St. Martins Lane Hotel and loved it.

In addition to an absolutely amazing location, in the heart of the London buzz, close to Convent Garden in the West End area, for hotel lovers this is a beautiful boutique hotel.

The design is Philip Stark’s and that for it self is worth the stay. There is a junction between modern and clean lines, with colorful and statement pieces.

Guests can take advantage of Europe’s largest hotel gym – the Gymbox.

But besides this there was something that seduced me as soon as I passed the fabulous revolving door, and that was the smell … yes the smell! The whole hotel smells wonderful! And they are not candles or incense. I asked and they told me that it was a scent they put in the air-conditioning system and it spreads through the common spaces of the hotel. It was a very pleasant smell, without being too much and without being cloying.

Then there are the amazing amenities …

The rooms are very bright, large glazed windows. The decor is clean but cozy lines. The bed was very comfortable and was framed in a sort of headboard where there was the possibility of choosing the light that framed the bed.

As you can imagine by now, this is not a budget hotel…, although one already knows that in European capitals, hotel above a certain level or with any kind of twist are never cheap. It’s worth keeping an eye on the promotions, I checked through the booking, and found a discount so the price was less salty and it was only two nights …

I tell you, it was definitely well worth it, it will always be one to consider in London if my wallet allows it!

And London is always a (good) great idea, isn´t it?

Thank you for reading!

25hours hotel – Viena

thumb_img_9646_1024

Na minha última visita à linda cidade de Viena fiquei no hotel de que vos venho falar hoje.

Na busca que fiz por hotéis em Viena, fugia, como sempre, das cadeias que são iguais em todo o lado e procurava um hotel, preferencialmente, com as seguintes características:

  • bem localizado,
  • que não desse cabo do orçamento
  • que fosse giro e original

Já tinha ouvido falar do 25hours Berlim, do qual já fiz um post aqui no blog, e nas minhas pesquisas no booking, que uso quase sempre para marcar os hotéis das minhas viagens, deparei-me com o 25hours at Museum quartier – Viena.

O preço era bastante convidativo, para terem uma ideia ficou um quarto duplo em Dezembro de 2015 a 125€/noite, e as fotos convenceram-me logo. Mas o melhor foi que “ao vivo e a cores” não decepcionou nada, muito pelo contrário.

Numa palavra descreveria-o como um hotel “cool”, que me perdoe quem não gosta de estrangeirismos, mas não encontro uma palavra portuguesa que o descreva tão bem.

Logo à entrada, no exterior, deparamos-nos com o letreiro “we´re all mad here”, o que me pareceu logo ser um bom prenúncio. Eu, não querendo deixar fugir a oportunidade de alinhar com o letreiro, dei largas à minha própria loucura!

O hotel está muito bem localizado no sétimo distrito, zona central de Viena, como o próprio nome indica no Museums Quartier, que é o “bairro” dos museus. É muito fácil lá chegar pois tem uma estação de metro a cerca de 3 minutos, e para quem gosta de andar a pé, em cerca de 15 minutos chegamos à zona do centro antigo de Viena, onde encontramos  – Mariahilfer strasse – rua de comércio, Viena State ópera.

Em termos de design, todo ele é cheio de pormenores circenses, pois esse é o tema do hotel. A descontração é a palavra de ordem, mas sem descurar o conforto. Os quartos não são enormes, mas para mim isso não é um aspecto determinante, especialmente num citybreak, mas têm camas muito confortáveis, e esse sim é para mim um aspecto fundamental.

Os pormenores são todos muito engraçados especialmente para quem gosta de design e de interiores.

No piso de entrada existe um dos restaurantes do hotel – 1500 foodmakers, de influência italiana, a comida é deliciosa, os preços são justos e bastante aceitáveis, e o ambiente é animado e trendy. No último piso existe um Rooftop bar, que é um dos rooftops da moda em Viena, muito procurado para os after work drinks.

thumb_img_3498_1024thumb_img_3499_1024thumb_img_3421_1024thumb_img_9725_1024

Este é sem dúvida um hotel que recomendo a quem for a Viena e queira ficar num sítio giro e sem gastar uma fortuna.

thumb_img_9869_1024thumb_img_9870_1024thumb_img_9873_1024thumb_img_9874_1024thumb_img_9875_1024

thumb_img_9728_1024

thumb_img_3427_1024

thumb_img_9730_1024

***

On my last visit to the beautiful city of Vienna I stayed in the hotel of which I come to speak to you today.

Searching for an hotel in Viena i kept in mind  some  important features:

  • Well located
  • could not break the budget
  • Idealy quirky and original

I had already heard about the 25hours hotel Berlin, of which I already made a post here on the blog, and while using the booking platform, wich i almost always use to book my hotels, I came across the 25hours at Museum quartier – Vienna.

The price was quite nice, keeping in mind that it is Vienna, just for you to know a double room in December 2015 costs us 125 € / night, and the photos “had me at hello”. And the best part was that when in the hotel we were not disappointed by the hight expectations, specially regarding the design issues, quite the opposite.

If i could only use one word to describe this hotel, that would be: “cool”

Outside the entrance, we come across the sign “we’re all mad here”, and i could´t let go of the opportunity to line up with the sign and free my own madness!!
The hotel is very well located in the seventh district, central Vienna, as its name indicates in the Museums Quartier, which is the “neighborhood” of several museums. It is very easy to get there because it has a metro station about 3 minutes away, and for those who like to walk, it takes about 15 minutes to get to the old center of Vienna where we find – Mariahilfer strasse – shopping street, Vienna State Opera.

Regarding design issues, it is full of circus details, as this is the theme of the hotel. Coolness is the main word, but without neglecting comfort. The rooms are not huge, but they have very comfortable beds.

The details are all very funny especially for those who like design and interiors.
The entrance restaurant – 1500 foodmakers, is worth a try since the food delicious, the prices are fair and quite acceptable, and the atmosphere is lively and trendy. On the top floor there is a Rooftop bar, which is one of the trendy rooftops in Vienna.
This is definitely a hotel I would recommend to anyone going to Vienna!

 

Hotel Dream Downtown -Nova Iorque

IMG_7360

Na minha última ida a Nova Iorque tive o prazer de ficar num hotel que gostei muito e aconselho a quem como eu é um “hotel lover”…

O objectivo da viagem era mesmo “desligar”, namorar e uma ou outra compra (uma pessoa não é de ferro 😉.

E como foi uma viagem “Kids free”, e já lá tínhamos estado outras vezes,  queríamos fugir dos roteiros mais turísticos de Midtown e focarmos-nos mais em Downtown, nas zonas de Chelsea, Soho, Greenwich Village, Tribeca, Lower East Side e por aí.

Este era um hotel que eu tinha debaixo de olho há já algum tempo, pois desde que foi inaugurado em 2011, as fotografias dos seus interiores e fachada apareceram em muitas  e conceituadas revistas de design, arquitectura e decoração.

IMG_9084

O hotel localiza-se na 16th st. entre a 8ª e a 9ª av., muito perto do Chelsea Market e em frente ao quarteirão onde se localizam os escritórios da Google em Nova Iorque. E no começo do Meatpacking Distric, que está em ebulição e que eu ADORO!

Ou seja, em termos de localização, para os objectivos que nós tínhamos, não podia ter sido melhor!

IMG_9279

Sem dúvida que o design do hotel é um dos seus pontos fortes, todas as janelas são circulares, a fachada é revestida a placas metálicas que lhe dá um ar muito arrojado e no interior o tema dominante é o círculo.

Depois é um hotel para além do hotel, isto é, a sensação que ficámos é que estão sempre festas a acontecer, o ambiente de festa é permanente! O Lobby está sempre movimentado e tem um bar com uma decoração muito “cosy” e com uma particularidade que marca a diferença –  do seu interior se olharmos para cima vê-se o interior da piscina, isto é, parte do tecto do Lobby bar é o fundo da piscina!!

Eu estive lá em Dezembro e por isso não vi mais que, efectivamente, a água da piscina, mas imagino que no verão tenha muita graça ver as pessoas dentro de água.

E segundo o que já li, no verão a piscina e as suas festas, é muitíssimo disputada e igualmente bem paga, um dia na piscina para não hóspedes parece que ronda os 175 dólares!!

Há um ambiente muito “Sexo e a cidade” pelo hotel, andam sempre a circular pessoas que parecem ou saídas de uma produção de moda ou prontas para uma festa… Isto além dos excêntricos, daqueles que estamos habituados a ver nos filmes e que também dão um toque especial àquele ambiente.

No entanto, para mim, o top dos tops do hotel foi mesmo a chegada. Depois de termos feito o check-in e termos sido encaminhados ao nosso quarto, assim que abrimos a porta senti-me tipo criança da Disneyland… o quarto estava às escuras o cortinado aberto e a nossa janela (circular) tinha vista para o Empire State Building, que à noite se ilumina e portanto o meu primeiro impacto foi esse. Uma janela que emoldurava o Empire State Building…

Melhor primeira impressão era impossível!!

Informações práticas: Este hotel foi marcado através do booking.com, como faço a maior parte das vezes que viajo. A viagem já foi feita em Dezembro de 2014, e nessa altura o valor rondou os 280€/noite.

Chegar ao hotel é muito fácil, no nosso caso foi comboio do aeroporto de Newark até Penn Station, que fica na 34st, e por isso aí o melhor é mesmo apanhar um taxi, ou até mesmo fazer o restante percurso a pé, afinal estamos em NOVA IORQUE!!

Ai NY NY, já tenho tantas saudades tuas……….

IMG_7417

 

 

 

 

Hotel Thoumieux, Paris

Na última viagem a Paris fiquei no Hotel Thoumieux – rue St. Dominique, 79.

Como irão perceber se acompanharem o blog, eu sou uma pessoa que ADORA hotéis e adoro conhecer novos hotéis e especialmente hotéis diferentes. Mas nunca estou disposta a estourar o budget da viagem, seja ela qual for, só com o hotel. Até mesmo porque vão perceber que eu sou uma pessoa que adora hotéis, mas também sou uma pessoa que adora restaurantes e lojas e… e… e… e…

Este é um boutique hotel do grupo Costes e dito isto talvez fossem desnecessárias mais palavras…, mas ainda assim vou arriscá-las.

A localização é muito central no 7iéme arrondissement, muito perto dos Invalides, com a estação de metro La Tour Maubourg a uma distância de cerca de 5min a pé. E a estação de Invalides a um pouco mais, mas também perfeitamente acessível a pé. A Torre Eiffel também fica a cerca de 15minutos.

O hotel tem cerca de 15 quartos, um projecto de interiores com inspiração Art Deco que esteve a cargo da designer Iraniana, sediada em Paris India Madhavi,  conhecida por vários projectos de interiores em hotéis, restaurantes e bares da moda espalhados pelo mundo.

Em todo o hotel os padrões são usados e abusados, tanto ao nível de papéis de parede como tapetes, assim como as cores fortes. A luz é um elemento determinante na concepção dos espaços e ambientes. Elementos fortes são uma constante e conferem-lhe muita personalidade, no entanto a atmosfera é extremamente acolhedora, muito “cozy”.

thumb_IMG_3074_1024

thumb_thumb_IMG_9241_1024_1024

Pomenor da máquina de café e Ipad

thumb_thumb_IMG_9238_1024_1024

Zona de closet

thumb_IMG_3078_1024

Casa de banho

thumb_IMG_9274_1024

Corredor de acesso aos quartos

Todo o hotel cheira maravilhosamente bem, e um hotel que apela ao  olfacto cativa-me logo, pois sou uma pessoa também de cheiros, é algo que considero que nos cria uma memória muito poderosa.

Não posso deixar de referir a cama, que era muitíssimo confortável. Isto é tudo muito giro, mas só uma decoração bonita não faz um hotel porque  e as amenities… da Aésop, uma marca que dispensa apresentações e que eu adoro!

thumb_IMG_3083_1024

Amenities Aésop

thumb_IMG_3082_1024

Aqui chegados penso que é fácil concluir que gostei muito do hotel, voltaria ou voltarei com todo o gosto e conquistou-me assim que passei as portas de entrada.

Um pequeno pormenor é que o hotel não tem elevador, mas não se preocupem, as malas aparecem-nos confortavelmente no quarto! E como o edifício só tem quatro andares também não é grave.

Relativamente ao pequeno almoço, nunca o tomámos no hotel, normalmente gosto de conhecer o que há à volta, o que habitualmente também se revela uma opção mais barata. A cerca de 5 min do hotel podemos encontrar a rue Cler, uma rua pedonal, muitíssimo simpática, com vários cafés, floristas, queijarias, mercearias e portanto uma excelente opção para o pequeno almoço.

thumb_IMG_3263_1024 2

Pormenor de um espelho num espaço comum

Esta foi uma viagem de 3 noites e por isso com alguma pena, não conseguimos conhecer os restaurantes do hotel, nomeadamente a Brasserie Thoumieux, mas que não perde pela demora!! O espaço é muito giro, estava sempre cheio, o que é um bom sinal.

thumb_IMG_3265_1024

Um dos restaurantes do hotel

O hotel Thoumieux é um dos preferidos em Paris da conhecida digital influencer Garance Doré!

Fiz esta reserva com alguma antecedência através do booking.com e consegui um excelente preço, um quarto de casal por cerca de 150€/noite!!!! Sim, foi mesmo um achado!

A viagem Lisboa/Paris foi com a AirFrance, que chega ao aeroporto Charles de Gaulle e daí apanhámos a Roissybus até à zona da Ópera.

Nessa zona, eu e o meu marido temos uma paragem obrigatória… Em vez de nos enfiarmos diretamente no Metro, andamos cerca de 200m até a Brasserie/Bar Garmont , sentam-nos na esplanada, tomamos um copo de vinho acompanhado de uma tábua de queijos e aí sim, sentimos que estamos em Paris!!

Para chegar ao hotel, apanhámos o metro em Bonne Nouvelle e saímos direto em Le Tour Maubourg.

thumb_IMG_3155_1024

Eu, na entrada do hotel

 

Obrigada por lerem e boas viagens!

 

 

 

Testado e aprovado #1

There´s something about hotels…

Hotel Les Plumes – Paris

ADORO hotéis, pronto nada a fazer… e perco-me por um bom hotel. Fascinam-me, acho que me fazem sonhar…

E como tal, quando viajo o Hotel é parte importante da experiência, e às vezes a experiência em si mesma!

Mas, como muitas vezes é preciso deixarmos as nuvens dos sonhos e cairmos na realidade… nem sempre há disponível um budget que nos permita ir para os hotéis que habitam os nossos sonhos.

Mas quem adora hotéis sabe que mesmo não escolhendo o TAL hotel, a escolha tem que recair num que nos diga alguma coisa.

E é aqui que entra o Hotel Les Plumes em Paris, o hotel onde fiquei na última vez que estive nesta cidade que ADORO. Procurava um hotel bem localizado, confortável, com um design cuidado e que me agradasse e que não me rebentasse com o orçamento, ainda por cima porque todos sabemos que o que não falta em Paris são opções, das mais diversas ordens, onde podemos TÃO facilmente rebentar com qualquer orçamento…

E assim descobri o Les Plumes no site do booking, que normalmente é a minha primeira escolha em termos de reservas de hotéis, e revelou-se uma agradável surpresa: localização fabulosa, um design cuidado e curioso, funcionários simpáticos, cama confortável e um duche MA-RA-VI-LHO-SO!

Sem dúvida uma opção a considerar numa próxima ida a Paris (sim já sonho com a próxima!!)

***

I absolutely ADORE hotels… I just love a good and fancy hotel …

So when I travel the hotel is an important part of the experience , and sometimes the experience itself !

But , sometimes you just have to get real… and not always we have available a budget that allows us to go to that one hotel that inhabit our dreams .

In my last visit to Paris, I came along with Les Plumes Hotel. I was looking for a well located and comfortable hotel , fancy but not to burst with the budget , moreover because we all know that when in Paris it´s so so easy  to burst the budget in so many different ways….

And so I booked through Booking website, which is usually my first choice in terms of hotel bookings, it proved to be a pleasant surprise: fabulous location, a careful and curious design, friendly staff, comfortable bed and a  wonderful shower – wow kind of!

It´s certainly an option to consider in a next trip to Paris (yes, I´m already dreaming about the next one!)

Image

Image

Image

Image

I like to think of hotels as playgrounds for grown-ups” – Loh Lik Peng in: The Design Hotels Book

Mais imagens aqui